Festejos Juninos

Período: durante o mês de junho. 
Local: nos arraiais espalhados pela cidade de São Luís.


O bumba meu boi é o mais conhecido folguedo dos Festejos Juninos no Maranhão e Patrimônio Cultural do Brasil. Em São Luís, em nosso ciclo junino são celebrados os seguintes Santos: Santo Antônio (13/06), São João (24/06), São Pedro (29/06) e São Marçal (30/06). Esta manifestação é um auto conhecido como “A Lenda de Catirina”, que reúne três formas de expressão artística (teatro, dança e música) e conta a história da negra Catirina que, grávida, desejou comer a língua do boi predileto de seu amo, induzindo o seu marido, pai Francisco, a matar o boi para a satisfação de seu desejo.


O bumba meu boi apresenta um conjunto de personagens que pode variar segundo o sotaque ao qual os grupos pertencem. O sotaque também determina a variação na indumentária dos grupos. Os personagens desta brincadeira são: o Boi, figura central da brincadeira, feito de buriti, cujo “couro” é bordado com miçangas e canutilhos; o Amo, que personifica o dono da fazenda podendo acumular a função de cantador; os Vaqueiros, grupo que forma o cordão, exceto, nos sotaques de orquestra e zabumba onde o boi se posiciona no centro do cordão; e as Índias, personagens femininas que trajam indumentária confeccionada com penas, e cocares, a exceção do sotaque de zabumba, com suas indumentárias são confeccionadas com fios de saco de náilon.

 

Os grupos de bumba meu boi do maranhão possuem vários sotaques, dentre eles: o sotaque de matraca, o sotaque de costa de mão, o sotaque de zabumba, o sotaque da baixada e o sotaque de orquestra. 


Bumba meu Boi

O Complexo Cultural do Bumba Meu boi foi reconhecido internacionalmente como Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade durante a 14ª reunião Comitê Intergovernamental para a Salvaguarda do Patrimônio Cultural realizada em Bogotá (Colômbia) no ano de 2019. Este título é uma distinção criada em 1997 pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) para a proteção e o reconhecimento do patrimônio cultural imaterial, abrangendo as expressões culturais e as tradições que um grupo de indivíduos preserva em respeito da sua ancestralidade, para as gerações futuras.

 

O Bumba Meu Boi já é reconhecido pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) como Patrimônio Cultural do Brasil desde 2011 e reúne elementos imateriais, como performances dramáticas, musicais e coreográficas e também materiais, como o artesanato, os bordados do couro do boi e as indumentárias de seus personagens, os instrumentos musicais confeccionados artesanalmente, por exemplo.


O sotaque de matraca ou da Ilha é devido à sua origem na ilha de São Luís. Este estilo atrai grande número de brincantes em suas apresentações. Nesse sotaque há predominância de matracas e pandeirões dentre os seus instrumentos, tocados por grande número de brincantes com uma especificidade: os bois de matraca permitem uma maior participação do público uma vez que qualquer pessoa com um par de matracas pode ajudar o grupo em suas apresentações. Pertence a este sotaque os Bois de Maracanã, Maioba, Pindoba, Ribamar, Sitio do Apicum.


O sotaque de costa de mão surgiu na região do Cururupu e como o próprio nome já remete, os pandeiros são tocados com as costas das mãos, há também uso de caixas e maracás. As roupas dos brincantes são cheias de bordados e os chapéus em formato de funil.

 

O sotaque de zabumba é característico da região de Guimarães e originário do ritmo africano das zabumbas (tambores grandes socados por uma maceta). Além das zabumbas, outros instrumentos são utilizados como: tambor-de-fogo, tamborinho ou pandeirinho, tambor onça, maracás e apitos. Os brincantes usam além de roupas aveludadas, chapéus cheios de fitas coloridas (caboclo de fita). Como exemplo podemos citar os Bois de Leonardo e Guimarães.


O sotaque da Baixada característico da Baixada Maranhense é marcado por matracas e pandeiros com toadas em ritmo mais lento que os outros. Possui um personagem místico “o Cazumba”, uma fusão dos espíritos dos homens e dos animais, vestido com uma bata e uma máscara  e chocalho na mão..Estão entre este sotaque o Boi de Santa-Fé e Boi da Floresta.


O Sotaque de Orquestra tem o acompanhamento de instrumentos de sopro e de cordas, como clarinete, saxofone e banjo. A origem desde sotaque é da região do Munim e dentre os grupos tradicionais estão os grupos de Rosário, Axixá, Morros e São Simão. Os brincantes usam coletes e saiotes de veludo com miçangas e canutilhos.


FESTEJO DE SÃO PEDRO
Local: Largo de São Pedro Madre Deus.


A festa de São Pedro é uma comemoração a este santo, o qual é tido como o santo protetor dos pescadores. Acontece uma procissão marítima com embarcações passando pela orla da avenida beira-mar até o Cais do Genipapeiro e retorna até chegar à rampa Campos Melo, Praia Grande. A procissão segue a pé até a Capela de São Pedro, onde já estão os grupos de Bumba-meu-Boi em frente à Capela de São Pedro.

FESTEJO DE SÃO MARÇAL
Local: bairro do João Paulo.
Período: 30 de junho

 
O Festejo de São Marçal é comemorado no dia 30 de junho, em homenagem ao santo. É quando acontece o grande encontro dos bois de sotaque de matraca ou da ilha. A prefeitura de São Luís no ano de 2006 alterou o nome da Avenida que era antes Avenida João Pessoa para São Marçal. A Festa de São Marçal passou a ter título de bem cultural e imaterial e neste dia também é comemorado o Dia Mundial do Brincante de Bumba-Boi. A festa começa de madrugada e mais de 40 grupos de bois passam pelo local, o que torna esta festa inesquecível.